Caneta e Papel

(com qualquer ou nenhuma inspiração.)

Arquivos Mensais: novembro 2008

Frase do dia

Não abro mão de duas coisas: estar sempre bonita e um homem cheio da grana ao lado.

(da minha vizinha de setor)

minha nossa!!

e ainda fiquei beeege!

past continuous

Dormir com o travesseiro úmido não é lá muito legal. Mas durante a noite foi impossível segurar saudades, dúvidas, desejos, pensamentos, tudo vindo de uma só vez. Não pude resistir ao meu lado mais fraco.

Agarrei a Pucca e enquanto estava abraçada a ela, fiquei lembrando de um passado bom. Exatamente da pessoafeeling_insecure_by_daimonia que me deu a boneca. Entre as lágrimas, fiquei pensando se jamais voltarei a me sentir tão importante, respeitada, amada, única pra alguém. Tentava entender se é certo, se é bom manter algum foco nessa esperança, que muitas vezes já pensei ser tola.

Não sei exatamente o motivo, mas remontei só no pensamento cada momentinho do B-side. No estado confuso que tenho vivido e de conflito comigo mesma, veio de súbito aquilo que sempre quis sentir na vida e, por breves momentos, pude ao menos experimentar o aroma.

Alguém que veio de outra cidade só pra me conhecer, que me tirou de um lugar de descrédito, me tratou como princesa, que se parece tanto comigo e é, ao mesmo tempo, diferente, que não disse coisas opostas ao agir, honesto e respeitoso, que com todas as suas limitações não me machucou ou deixou ilusões pairando no ar, provando que coisas de bem e boas existem, sem que eu precise me anular para tê-las. Um príncipe como gosto de me referir a ele.

Percebi que ando tal e qual naquela época, com a sensação de que há algo de errado comigo ou com minhas escolhas, com os enganos que gosto de maquiar, mesmo sem querer. Ando precisando de um B-side na minha vida novamente. Apesar de não ser mais sombra do que era há 3 anos atrás, ainda esbarro nesses problemas que, pelo que posso compreender, não consigo dominar de vez. Deve haver algum fio solto nesse esquema e que se esconde das minhas mãos.

A verdade é que, geralmente, o meu instinto de sobrevivência me faz arrancar o que julgo joio pela raiz. E confesso que reluto tanto pra fazer isso, mas quando faço é praticamente um ‘para sempre’.

O pior é que não consigo ser tão forte quanto gostaria.

Enfim…

ps.: B-side, com muito atraso, mas.. obrigada pela oração! Acho que nunca precisei tanto quanto no dia do meu niver. Beijos, luv U 2!

Elogio é sempre bem-vindo.

just_a_feeling_by_gilestheblankRelembrando as palavras do doutor neurologista, elogio dá um gás. Não só o elogio em si, mas a certeza de que o melhor foi realizado, da melhor maneira, tudo nos conformes. E o mais importante: quando tudo é feito pelas suas próprias mãos.

Em um mês de trabalho, ser elogiada, no setor e serviço que peguei, realmente, é muito importante. Isso não me ensorbebece, não é parte de mim. Mas é gratificante saber que alguém esteve me observando (sabe-se Deus lá porque motivo..) enquanto realizava meu (literalmente) árduo trabalho e viu meu esforço. Algo muito válido, me dá mais alegria de saber que mesmo lançada na fogueira, não me queimei (apesar de – ja? – algumas torcidas do contra).

E o elogio me deixou mais confiante. Coisas assim são legais, ainda mais quando vem da chefia.

(isso porque só passei pela primeira etapa do caos.. ainda vem a próxima – e mais capciosa.) 😐

Palavras de um momento bom.

Ontem fui ao neurologista. Rapidamente, preciso dizer que morria de medo só de pensar em fazer tomografia, mas muitos dias de dores frequentes de cabeça e mais mil e umas sensações ruins não me deixaram saída.

O diagnóstico é o corriqueiro “não há nada de errado com você”. Glória a Deus! Mas por outro lado preciso aprender a controlar algo que não sei se tem muito jeito: minhas emoções.

Saindo um pouco da parte clínica da consulta, acredito que aprendi algumas lições de vida falando com o doutor. Calmo e tranquilo, me ouviu, examinou e conversou muito. Como disse meu irmão, foram duas consultas em uma.

São poucas coisas que me deixam tão atenta, a ponto de me levar ao êxtase. E uma delas é a sabedoria que flui de certas pessoas. Não o saber didático, mas o saber da vida. Fico sem palavras, inclusive.

O doutor falou de coisas muito simples, disse que o meu problema só poderá ser resolvido com a minha atuação. Não me receitou medicamentos e disse que, as vezes, ser racional é algo positivo e livra das ansiedades.

Comentei alguns episódios recentes, da minha emotividade e sensibilidade, e ouvi dele que são qualidades muito bonitas, mas que não podem ser extremas a ponto de me fragilizar. Não sei exatamente o porquê, mas isso me confortou.

Difícil encontrar gente com tanta espiritualidade, com tato pra tratar desses pontos de fraqueza, que mais parecem anjos nos analisando. Sorte minha que estou saudável, tenho qualidades boas e, pela graça de Deus, ainda encontro gente muito bacana pelo caminho.

Aliás, as palavras desse médico foram muito propícias. Muito.

Dedos podres?

De que tenho a imensa sorte de chegar muito adiantada, muito atrasada ou de pára-quedas na vida de alguém já tinha quase total consciência. O que ainda não tinha parado pra pensar é que quase sempre sou trocada por, como posso dizer, quase nada.

Não sei, mas hoje tive a constatação que ou escolho mal ou realmente essas barcas furadas não me servem e fazem questão de me alertar disso. Tudo bem, pulo sempre a tempo.

Mas que me deixa profundamente irritada, deixa.

(E depois o ser não entende o porquê da minha transformação. Afê!)

na labuta!!

Hola, que tal?

Bom, hoje são exatos 1 mês no novo trabalho. De uma troca de 6 para 8h, de um trabalho repetitivo e chato, sem condições físicas, para um mensalmente agoniante e de uma responsabilidade absurda. E ainda continuo assistente.

Não tenho o que reclamar, afinal sempre tive na cabeça que aquele não era o meu lugar. Sem menosprezo algum, mas cada um sabe o patamar que quer alcançar. E olhe que ainda não cheguei lá, mas estou perto.

A demora em escrever sobre esta nova etapa da minha vida atende pelo nome de falta de tempo. Meus horarios vagos encurtaram e naturalmente o que não é, assim, tão importante vai ficando meio de lado. De lado, mas não esquecido. Pelo menos todos os dias olho meus status, rs (santa preguiça!).

Descobri que, realmente, não sou um ser sem humildade. Com ajuda dos céus (literalmente), consegui fazer at_work_by_xxanniemxxmilagre e, até onde sei, venci a primeira etapa da prova de fogo que soltaram nas minhas mãos (alguém leu que só tenho um mês no trabalho novo?). Fim do mês vem outra tão desafiadora quanto.

Algumas coisas posso adiantar que não mudaram com relação ao outro, inclusive por que gente grossa, mal educada, problemática, ciumenta (e invejosa) existe em todo e qualquer lugar. Logo, isso não mudou e terei que aguentar o meu estilo estressada, ao menos, até completar 3 meses, hehe. Vai ser punk!

Por outro lado, já encontrei pessoas camaradas. A própria pessoa que agora substituo tem sido uma verdadeira colega, não me deixou só. E isso me deixa feliz, pois sei que é uma recompensa à minha boa vontade (e falo sem nenhuma modéstia mesmo.)

Continuo animada. Ainda não jogaram areia sobre o meu gás de novata. Também ouço, vejo, presto atenção até no que não é da minha conta. E retenho o que é bom, assim como descarto o que não me serve. Graças a Deus, tenho uma chefia bacana e que já me dá valor. Não quero privilégios e nem vou bajular ninguém, mas só o fato de ter alguém que me dê ouvidos e não saia berrando comigo por idiotice já me deixa tranquila.

E se alguém ainda duvida da minha capacidade, tamos aí, rss. 😀

%d blogueiros gostam disto: